Jesus quer te ouvir

"Deus está preocupado com você e hoje deseja te ouvir. Então, feche as brechas. Comece, continue e conclua sua gestão, para que possa experimentar o extraordinário", diz Pr. Claudio Duarte

Eliane Loin/CN

A penúltima noite do Imersão Total, na segunda (28) começou com André Tarão encorajando os presentes a tocarem a presença de Deus, “porque algo extraordinário Ele quer derramar”.

A Bíblia nos fala sobre alguns personagens que foram impactados pela presença de Deus. Davi, sendo chamado por Samuel, foi ungido rei, venceu um gigante e teve sua vida transformada. José, por meio de um encontro com o rei, teve seu destino alterado. Uma mulher, que estava enferma há doze anos, tocou no manto de Jesus e foi imediatamente curada. Deus quer alterar destinos esta noite, quer curar, quer nos levar a novos níveis, novas estações. Tem um poder disponível para você“, disse.

O momento de louvor foi comandado por Thomas Jefferson e banda, que abrilhantaram a noite, mesclando músicas antigas e atuais na playlist. Destaque para “Pode morar aqui”, de Theo Rubia: “Tem fogo nos olhos; Eu não imaginava; Que era lindo assim, que era lindo assim; Meu noivo esperado eu abro a minha casa; Pode morar aqui“, dizia a letra.

A palavra profética foi liberada pelo Pr. Thiago Carneiro, inspirada em alguns capítulos de Apocalipse:

João teve uma visão de Jesus: E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno. (Apocalipse 1:12-18)

Eliane Loin/CN

E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. (Apocalipse 19:16)

Jesus é o único nome pelo qual importa que sejamos salvos. Ele é aquele que tem as chaves de Davi. Nada mudou. Ele tem o poderio, o senhorio. Os reis da terra precisam bater continência ao Rei dos reis e Senhor dos senhores. Jesus é aquele que era, que é e que há de vir. O Cordeiro venceu e está assentado no trono!“, declarou Thiago Carneiro.

A palavra de oferta foi ministrada pelo Pr. Paulo Sergio, baseada em Mateus 6:24

Deus está aqui e tem algo para nós. Muitos estão construindo grandes depósitos neste lugar. Os céus estão movimentados acerca de algumas entregas. Por vezes, Deus toca em estruturas confortáveis, pois esta posição pode tornar-se um ponto de mediocridade, caso não sirva de plataforma para o próximo salto“, disse.

Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. (Mateus 6:24)

Paulo explicou que, a palavra “riqueza” procede de um verbo de sustentação. “Quando Jesus confronta os que estão confortáveis com suas riquezas, Ele está perguntando: quem, de fato, te sustenta? Porque quando alguém nos pede para entregar aquilo que nos sustenta, entramos em conflito. Aqueles que tem como base de sustentação o próprio Deus, aqueles que compreendem de quem procede toda a riqueza, são maduros e, completamente, entregues. Precisamos nos render. A nossa entrega não é vã, pois nunca conseguiremos superar a Deus no quesito “dar”. Nem sempre será uma decisão que traz conforto, mas o Espírito já tem a porta aberta, para a próxima provisão“, ressaltou.

E disse que a oferta abre os olhos do entendimento para percebermos os recursos disponíveis à nossa volta. “Abel entregou uma oferta que, mesmo depois de morto, ainda fala. As nossas atitudes repercutem para a eternidade. Quando destinamos recursos na casa de Deus, ampliamos a capacidade de alcance da pregação, chegando a novos lugares. Temos que discipular as nações, porque Deus não nos deu uma terra prometida, mas um planeta prometido. Quando investimos na expansão do reino, temos a nossa geografia ampliada“, disse.

E ainda ressaltou que, a Sulamita era uma mulher de muitas posses, que viu Eliseu como profeta de Deus e o acolheu. “O profeta percebeu a necessidade daquela mulher e liberou uma palavra de fertilidade. Ela tem um filho que cresce, adoece, morre e é ressuscitado por ele. Mais tarde, em um período de seca, ela é orientada a sair de Israel, por sete anos e, quando volta, tem a surpresa de uma grande benção“, destacou.

Deus trabalha com propósitos, não com acasos. Nossas ofertas e investimentos ficam gravados na memória de Deus. Nossa relação de entrega financeira, significa proteção. Tudo o que fazemos, está sendo registrado e reverterá em bênção

Pr. Paulo Sergio
Eliane Loin/CN

Em seguida, o pastor convidado da noite, e grande amigo da Comunidade das Nações, Claudio Duarte, foi recebido com uma oração feita pelo Pr. Sandro de Paula.

Claudio Duarte começou a pregação dizendo que Deus criou o homem e colocou uma infraestrutura extraordinária, sob o seu comando.

Os céus são os céus do Senhor, mas a terra, deu-a ele aos filhos dos homens. (Salmo 115:16)

Depois, Deus fez uma observação acerca da sua criação: E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só (Gênesis 2:18)

Deus olha para Adão e diz: há algo para ser aperfeiçoado

Apesar de Deus, todas as tardes, conversar com Adão, se relacionando em intimidade, Ele compreende sobre a necessidade de criar companheira que lhe correspondesse“, pontuou.

Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa. (Eclesiastes 4:9-12)

A solidão

Segundo o pastor, é notório que, a vida é uma caminhada para ser feita em grupo. “Quantas vezes, estamos tão juntos uns dos outros, como neste culto por exemplo. Cumprimentamos, podemos até direcionar alguma palavra, mas permanecemos apenas próximos, porque, quando tudo acabar, estaremos sozinhos novamente. Na Bíblia, encontramos pessoas que enfrentaram essa dificuldade“, disse.

Ana lutava contra a dor da esterilidade, sozinha

Duarte ressaltou que seu esposo, Elcana, era resolvido, sob esse aspecto, e tinha uma descendência com outra mulher e tinha Ana, a quem amava. “Mas, ela estava sozinha nessa batalha interna. Era solitária e incompreendida. Elias, tão poderoso em obras, reclama de solidão. Ele diz: mataram os teus profetas, Senhor, e eu fiquei só! Talvez, você esteja enfrentando batalhas solitárias. Entenda que nós não devemos criar expectativas tão altas em nossos relacionamentos humanos. Dependa de Deus e esteja preparado para a rejeição dos homens, pois, grande parte das vezes, as pessoas têm mais interesse no que podemos oferecer, do que naquilo que somos ou precisamos. Mas, Deus se interessa por aquilo que é importante para você“, disse.

Eliane Loin/CN

E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse-lhe: Queres ficar são? (João 5:6)

Este paralítico estava há trinta e oito anos ali. Ele queria estar no lugar onde os milagres ocorriam. Mas, foi cercado por pessoas que lutavam de forma individual. A dor interna daquele homem era maior que a sua paralisia. O sofrimento de ser visto e ignorado, era intenso e extenso. Por trinta e oito anos foi tratado com indiferença. Então, chega Jesus com interesse em ouvir e conhecer aquela história de luta. A pergunta foi: Queres ficar são? Apesar da resposta parecer óbvia, ele responde com a sua história e desabafa uma angústia. Jesus conhecia aquela jornada e quis colocar o dedo na ferida mais profunda: a solidão“, destacou.

Líderes movem-se por perguntas e são direcionados pelas respostas

Duarte pontuou que “pode ser que não haja mais ninguém interessado na sua história, além de Jesus”.

O que você vive, não passa em branco aos olhos daquele que tudo vê

Pr. Claudio Duarte

Eu te gravei nas palmas das minhas mãos; (Isaías 49:16)

Jesus liberta aquele homem, de forma extraordinária

E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância. (Marcos 9:21)

Mais uma vez, Jesus se interessa pela história de alguém e percebe a batalha solitária, que o homem enfrentara anos a fio. Antes de curar o menino, Jesus curou o pai por meio da sua disponibilidade em ouvir. Ele tem poder para libertar, mas antes, diz ao homem: você não está sozinho“, declarou.

Neste momento, ocorre um desabafo, recheado de decepção:

…se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos. (Marcos 9:22)

O pastor ressaltou que, provavelmente, ao longo da sua história, aquele pai se decepcionou com promessas não cumpridas e passou a desacreditar das pessoas, transferindo a mesma descrença para Jesus. “Ele responde: Se eu posso fazer alguma coisa? Em outras palavras: Eu não sou como as outras pessoas, que não cumpriram suas promessas. Não estabeleça critérios, com base em suas frustrações. Jesus sabe que quem vive uma situação assim por muito tempo, já está cansado pelas expectativas quebradas, nas relações interpessoais. A pergunta de Jesus atingiu o ponto certo de quebrantamento. O homem foi sincero, reconheceu sua falta de fé e pediu ajuda. Então, Jesus aceitou seu pedido e curou o menino. As pessoas ao redor acharam que ele havia morrido“, destaca.

A incredulidade pede companhia.
Depois do encontro com Jesus, precisamos rever nossas amizades

Pr. Claudio Duarte

E verifica-se mais uma situação, que Jesus se depara:

E Jesus, parando, disse que o chamassem; e chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, que ele te chama. (Marcos 10:49)

Muitos cercavam Jesus, mas os gritos daquele cego, chegaram aos seus ouvidos. Alguns podem ter reclamado, porque aquele homem furou a fila. Aquele que era invisível à sociedade, tornou-se visível para Jesus. Mais uma vez, a necessidade parecia óbvia, mas o cerne da questão veio à tona com a pergunta: Que queres que eu te faça? Definitivamente, precisamos entender que Jesus se interessa por nossos problemas. Ele quer conversar conosco, quer um relacionamento que atinja a nossa real necessidade. Foi isso que ele fez com esse cego que, ao final, foi completamente curado“, afirmou.

Quem é seu real inimigo?

Não é o diabo, muito menos as pessoas ou as circunstâncias que conspiram contra você. A pessoa mais perigosa, somos nós mesmos“, destaca.

Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar. (Gênesis 4:7)

Segundo Claudio, é necessário assumir a responsabilidade daquilo que fazemos. “Deus não nos castiga, apenas nos responsabiliza. Deus nos perdoa, mas não deixamos de ser responsáveis pelos nossos atos. O responsável trabalha para resolver o problema. A solução para cada situação, está conosco. Jesus disse ao pai do menino lunático: é possível se você crer“, disse.

Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, e a morte e o mal; Porquanto te ordeno hoje que ames ao Senhor teu Deus, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e o Senhor teu Deus te abençoe na terra a qual entras a possuir. (Deuteronômio 30:15,16)

Temos as promessas e nossas escolhas estão criando as soluções

Pr. Claudio Duarte

Seu problema é espiritual ou administrativo?

E uma mulher, das mulheres dos filhos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao SENHOR; e veio o credor, para levar os meus dois filhos para serem servos. (2 Reis 4:1)

Claudio Duarte finalizou a noite pontuando que, determinadas necessidades, exigem soluções administrativas. “Pode ocorrer que a solução seja uma atitude prática de gestão emocional ou financeira. Então, seja diligente e não permita que o inimigo te use, contra você. Deus está preocupado com você e hoje deseja te ouvir. Então, feche as brechas. Comece, continue e conclua sua gestão, para que possa experimentar o extraordinário. Deus está perguntando: há quanto tempo você está assim? O que queres que te faça? Se o seu posicionamento for alterado, eu vou mudar a sua história“, profetizou.

por Vanessa Ribeiro
edição Tiago da Silva

Confira o vídeo da penúltima noite do Imersão Total – Ungidos no amanhecer no nosso canal no Youtube: