Seja o roteirista do filme da sua vida

Segundo JB Carvalho: "Só quando assumirmos o enredo da nossa história, poderemos escrever o seu fim"

Jonathan Marclay/CN

O último Culto da Família deste domingo (23), realizado na sede da Comunidade das Nações em Brasília, teve uma palavra encorajadora do bispo JB Carvalho, que abordou como o futuro é previsível. “É possível prever o seu futuro, analisando alguns elementos simples: quais são seus hábitos, suas escolhas e seus amigos. A soma de tudo isso, resultará em algo“, disse.

…pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. (1 Coríntios 4:9)

Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, (Efésios 1:9)

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, (Hebreus 12:1)

Imagino que os anjos podem fazer cálculos, e descobrem aonde as nossas decisões nos levarão. As escolhas que fazemos, fazem nossa rota

JB Carvalho

Se quisermos mudar de curso, teremos que mudar os hábitos. Apenas o arrependimento e consequentes novos posicionamentos, mudam uma estação, de forma imediata. Redefina sua rota, com novas decisões. Quem espera um novo ano para mudar os hábitos, não permanecerá nelas por muito tempo, porque o ano novo somos nós. Decisões de qualidade nos conduzem a uma vida de qualidade. Ouça o despertador tocando! Podemos ter sonhos a longo prazo, mas estes só serão alcançados se criarmos hábitos coerentes, para as próximas vinte e quatro horas“, ressaltou.

Jejum

O bispo convocou os membros da igreja para um jejum de sete dias, a partir do próximo dia 31 de janeiro, até 06 de fevereiro de 2022.

Assuma o enredo da sua história

Depois Davi, retirando-se desse lugar, escapou para a caverna de Adulão. Quando os seus irmãos e toda a casa de seu pai souberam disso, desceram ali para ter com ele. Ajuntaram-se a ele todos os que se achavam em aperto, todos os endividados, e todos os amargurados de espírito; e ele se fez chefe deles; havia com ele cerca de quatrocentos homens. (1 Samuel 22:1,2)

JB costuma sempre dizer que quando Deus quer agir na terra, Ele usa pessoas. “Então, quando temos uma necessidade, Deus nos supre por meio de pessoas, pois somos complementares. Em todas as épocas, Deus treina e levanta líderes, que possam servir de modelo. São verdadeiros arquétipos. Jesus é Deus, como Deus é, e o homem como deveria ser, sendo constituído o modelo supremo, o primogênito dentre os mortos, o arquétipo perfeito. A vida que de Deus emana, desperta esperança nos corações, para a solução dos problemas das pessoas que o contemplam. Por isso, enquanto estava na terra, juntaram-se a Ele pecadores, coxos, cegos, feridos, pessoas sedentas de solução“, afirmou.

E ainda destacou que, assim como é notório no texto do encontro de Jesus com a mulher samaritana, no poço de Jacó, Jesus não apenas supria as carências das pessoas, mas as tornavam úteis, para o progresso do Evangelho. “Verificamos, então, que as necessidades eram supridas de ambos os lados. Se Deus só trabalha na terra por meio de pessoas, para que este evangelho seja vivo e operante, Ele precisa de pessoas que sejam testemunhas do seu poder. Assim ocorre no texto acima. Imagino o olhar daqueles homens tão amargurados, vendo em Davi a solução para os seus problemas“, disse.

Davi

Para JB, Davi é um arquétipo do bem, que transforma homens problemáticos, em verdadeiras testemunhas de transformação. “Agora são homens de guerra: das cinzas, Davi levanta um exército tão poderoso, que até suas aparências causavam temor nos inimigos. O ser humano continua sendo o recurso, para Deus atuar na terra. Jesus não está mais aqui, no entanto, Ele tem a você e a mim, para que as pessoas encontrem em nós esperança e se levantem como testemunhas, formando um poderoso exército“, declarou.

“Mas, como os homens chegam ao ponto de serem tão amargurados? Como nos afundamos em histórias tristes que, por vezes, sequer tiveram um desfecho real? Aqueles homens transformaram o desprezo, em energia para vencer. Como o quadro foi revertido?“, questionou.

Segundo o bispo, o cérebro trabalha constantemente. “Nós não paramos de nos contar histórias. Nossas narrativas têm começo, meio e fim. A autora Brene Brown, em seus livros “Coragem de ser Imperfeito” e “A Arte da Imperfeição”, trata dos temas: vergonha e vulnerabilidade. Ela explica como, constantemente, contamos uma história para nós mesmos. Fala como o nosso corpo reage quimicamente a isso. Assim, se temos bons pensamentos ou maus pensamentos, produziremos uma reação sentida pelos nossos corpos. Dependendo da história, somos plenos de alegria ou sucumbimos em depressão. Por vezes, começamos uma competição, que só existe no mundo imaginário. Corremos para vencer oponentes que não existem. Cuidado com as histórias que você cria, pois elas podem te adoecer. Podemos submergir com fantasmas mentais. Podemos trazer à realidade conspirações produzidas por nossos medos“, pontuou.

E ainda trouxe o exemplo de certo grupo de pescadores, que estavam enfrentando uma tempestade. “Havia uma ilha próxima, mas, com medo de haver canibais no local, resolveram permanecer afastados. Os dias se passaram, os suprimentos acabaram e, aqueles homens terminaram sendo os canibais em alto mar, destruindo-se uns aos outros. Conclusão: eles se transformaram nos monstros, que tanto temiam. Existem dardos, setas e sentimentos que surgem, criando uma ansiedade, uma suspeita, um julgamento ou amargura, uma disposição para a prática do pecado. Levante o escudo da fé e crie um campo de força e proteção à sua volta“, disse.

Segundo JB, Saul enlouqueceu e suicidou ao final, por agasalhar fantasmas na alma, e o início da sua morte ocorreu quando passou a desacreditar das pessoas. “Foi um rei cheio de setas e que, também, atirava suas lanças. A vida nos entrega uma história, que preenchemos com ideias e valores pré-concebidos. Existem versões que passam pelo viés da amargura. Conspirar é respirar juntos com seus medos. A bíblia nos relata que Jó oferecia sacrifícios à Deus pelos seus filhos, todos os dias. Não sabemos se possuíam um histórico de rebelião e se este ato era usado, erroneamente, como substituto de uma correção, no entanto, ele diz: o que eu temia, me sobreveio. Seus medos e assombros se tornaram reais. Precisamos quebrar o poder da concordância com os demônios“, destacou.

Quais pensamentos não são seus?
Quais teatros ocorrem em sua mente?


Em uma experiência, visualizei como o mundo espiritual opera. Existem dois reinos trabalhando para nos convencer acerca de algo, mas, muitas vezes, não discernimos a fonte da voz que fala e adotamos como pensamentos próprios. Precisamos identificar a voz do inimigo e discordar das suas falas“, afirmou JB.

O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.(João 10:10)

O bispo ressaltou que Deus quer terminar nossas histórias, de acordo com o seu roteiro, de forma que faça parte da sua estrutura. “Assim como todo o corpo se empenha para restaurar uma ferida física, o nosso cérebro trabalha, constantemente, para encontrar soluções terminativas às histórias inacabadas. A falta de perdão, impede a conclusão da história. Então, procurando um fim, nosso cérebro se empenha exaustivamente, inclusive nos sonhos, para concluir o processo. Apenas o perdão encerra esse filme de terror mental. Então, lide com o desconforto, perdoe, tenha conversas de alto nível com sua mente, critique os pensamentos desalinhados da Palavra e, rapidamente, sufoque os nocivos à sua saúde mental“, disse.

JB afirmou que, no seu divã, Agostinho falava com Deus. “Faça como ele, fale com Deus sobre os seus sonhos não resolvidos. Segundo o dicionário, a palavra “catarse” significa expulsão ou purgação do que é estranho à essência ou à natureza de um ser. Este era um termo utilizado para designar o esvaziamento do intestino“, disse.

Existem substâncias residuais em nossa alma que precisam ser descartadas

JB Carvalho

Com frequência, vemos os salmistas praticando a catarse nos salmos, rasgando seus corações em situações de conflitos. Controle as suas emoções, nomeando seus sentimentos. A cura e a libertação, para tudo o que está mal resolvido, está em sua boca. Deus é o médico dos médicos. Quais são suas histórias? Seja o seu roteirista e assuma esse enredo, afinal, essa é a história da sua vida. O maledicente assume roteiros que não são seus, destroem as histórias de outras pessoas e, sem perceber, mancham sua própria reputação. Eles escondem situações mal resolvidas e tentam desviar a atenção das próprias falhas, apontando as falhas dos outros“, declarou.

Criticar é uma maneira desonesta de se elogiar

Will Durant

Para JB, não se deve procurar culpados para “as nossas misérias, porque isso não nos torna inocentes”. “Não transfira suas rejeições. Seu tratamento diz respeito ao seu mundo interior. Faça com que suas histórias de luta terminem de forma ousada. Reconfigure um novo enredo, reinterprete a dor, torne sua superação em plataforma de cura, seja uma inspiração, para que outros vivam o mesmo poder vitorioso, que veio sobre você. Tome esta decisão, quantas vezes for necessário“, pontuou.

Jonathan Marclay/CN

Ouça o coração das pessoas

E lembrou que, “somos seres emocionais” e fortemente marcados por sentimentos. “Por isso, as pessoas podem até esquecer os detalhes de uma conversa, mas nunca esquecerão como se sentiram, após um encontro. Assim também, não esquecemos quem nos ajudou em um momento de dor, quem nos felicitou em momentos de grande alegria, quem nos agraciou com um presente inesperado, quem torna melhor o nosso dia. São pequenas atitudes, tomadas por pessoas capazes de enxergar o coração. Se Deus quisesse um mundo cheio de robôs, não nos teria feito assim. Por isso, prefira perder uma discussão, para não perder a pessoa. Somos conectados por químicas. Converse com as necessidades. Jesus revolucionou o mundo desta forma. Por vezes, conduzia o diálogo com perguntas, para a condução de respostas. Ser efetivo é conversar com os valores, colocando a emoção na mesa. Trate com dignidade e respeito qualquer pessoa, pois fomos feitos à imagem e semelhança de Deus. Honrar alguém, extrai respostas, honra a Deus – pois coloca o ser na posição que Ele determinou que estivesse – cativa a atenção e conquista uma entrega excepcional“, destacou.

Tenha coragem para continuar a maratona

O bispo destacou que, em qualquer maratona, o começo da jornada é mais tranquilo, momento em que o atleta está descansado. “No meio da segunda parte do caminho, ele irá dispender de uma energia mental e emocional não requerida a princípio. Portanto, em meio ao desgaste e sem conseguir visualizar a incentivadora linha de chegada, a vitória vai depender de uma qualidade: PERSEVERANÇA. Talvez você esteja neste ponto desgastante do percurso. Já correu o suficiente para se sentir fraco, já ultrapassou o início da segunda metade do trajeto e, ainda, não está conseguindo visualizar a linha de chegada. Eu tenho uma mensagem para você: não há combustível suficiente para voltar, portanto, não existe chance de retrocesso. A única opção é: siga em frente“, disse.

Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus. (Lucas 9:62)

Neste lugar de incertezas, nascem os líderes, pois estes precisam escolher a coragem, em detrimento do conforto. Ser positivo, em uma situação negativa, não é ser ingênuo ou negacionista, mas estar alinhado com a verdade de Deus, que quer se manifestar. Nestes lugares escuros, líderes são treinados, superam seus limites, constroem músculos e criam resistência“, afirmou.

Não seja paralisado pela ofensa

JB convidou os presentes para observarem a história da mulher siro fenícia. “Se ela tivesse sido paralisada pela ofensa, não conseguiria alcançar o seu milagre. Pessoas ofendidas, são como os que carregam feridas abertas. Sangram por onde passam e contaminam as pessoas. Alguns, estão no modo revidar. Tornaram-se vingativas, amargas e ressentidas. Ao invés de lidarem com a dor, por meio do perdão, constroem suas histórias, pelo viés da amargura, mudando sua essência. Essa decisão transforma heróis em bandidos, movidos pelo medo, pelo orgulho e pela vergonha. Assuma a culpa, pois responsabilidade é poder. Para se livrar de histórias não terminadas, você precisa escrever um final feliz e isso pode ocorrer por meio de uma retratação. Lide com a vergonha, que é o pântano da alma. Ela se disfarça em meio às folhas de figueira, como o fez Adão“, lembrou.

Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás? E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me.
(Gênesis 3:7-10)

Vergonha

O bispo ressaltou que todos conhecem a sensação da vergonha, exceto os sociopatas. “Esses se tornam zombadores e, na tentativa de removerem a vergonha, são os mais afetados por ela. Cada ser e cada gênero estima determinado aspecto. Para as mulheres, a aparência é um fator importante, assim como para os homens, é a força. O homem não foi criado para ser rude ou violento, mas eles devem se apresentar como heróis fortes, que defendem os seus, que assumem responsabilidades, que exercem o governo em amor. Portanto, mulher, respeite seu marido e, marido, ame a sua mulher. O que sentimos, quando sofremos o desprezo pela rejeição de alguém? Alguns mascaram a vergonha com raiva. Mas, as pessoas nos evitam por motivos pessoais, pois quem despreza, está tentando administrar suas próprias frustrações. Lembre-se: Desprezo só é desprezo, quando você o preza. Atenção: não edite as histórias de outras pessoas. Você não colocou seus sapatos, para entender seus problemas“, disse.

Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será?
Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu. (João 21:21,22)

E lembrou que Jesus recomenda seu povo a cuidar das suas próprias histórias, em vez de tentar escrever a dos outros. “Entre os casais, deve haver diálogo. O silencia torna o ambiente tenso, gasta tempo de desfrute e protela um problema que, de qualquer forma, deve ser resolvido. Além disso, temos a recomendação de não irmos dormir, sem resolver nossos problemas“, disse.

Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo. (Efésios 4:26,27)

O bispo ainda listou alguns passos importantes para a construção das próprias histórias:

  • Seja vulnerável – não se esconda, não tenha medo. Aprenda a dizer essa frase simples: Eu errei, me perdoa, eu te amo!
  • Exponha suas emoções reprimidas – Pessoas dissimuladas, escondem argumentos na jurisdição das trevas, porque tudo o que está no escuro, está sob trevas.
  • Converse com as necessidades das pessoas – Ouça o coração.
  • Seja o roteirista do filme da sua vida – Só quando assumirmos o enredo da nossa história, poderemos escrever o seu fim.
  • Responda à seguinte pergunta de Jesus: O que queres que eu te faça? Qual história você está se contanto? São histórias de morte, derrotas e divórcio? Divórcio, não deve ser uma opção. Se tudo der errado, Deus tem seus planos.
  • Mudanças virão para o melhor – Os desafios chegarão, mas a graça para enfrentá-los, sempre será proporcional ao nível da dificuldade. Deus está conduzindo a sua história. Entre em uma parceria com Ele.

    Sara foi uma mãe de multidões, que deixou uma poderosa herança. Esse é o relato do autor aos Hebreus. No entanto, em gênesis, não enxergamos o perfil de uma mulher poderosa, ao contrário, vemos alguém mentirosa e cheia de dúvidas. Mas, Sara contou outra história para si e reverteu o enredo. Como a sua história seria contada, pela caneta de um amigo? O registro de Sara foi medido pelo seu ponto mais alto, quando se tornou a mãe da nação de Israel. Ela deixou um legado de fé, de vida e de vitória. Como a sua história será contada? Diga “sim” à história que Deus quer contar. Manifeste a sua melhor versão e escreva uma história extraordinária!“, profetizou.

Antes de encerrar, JB Carvalho ainda estimulou os presentes a sairem da defensiva. “Alguém armado, sempre tenta se proteger. Sua descendência merece herdar uma grande história. Mude o algoritmo, mude seus hábitos. Seu ano novo é você, porque o poder de decisão está em suas mãos. Crie práticas educacionais, de aprendizado. Entregue a vingança nas mãos de Deus. Você pode ter muitos motivos para a dor, mas, quem não teve?“, questinou.

Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. (Lamentações 3:21)

Tenha uma memória seletiva. Expulse da sua alma aquilo que não foi digerido. Faça a sua catarse. Se preciso, procure alguém de confiança. Aproxime-se, dê um passo de conexão. Deixe que a cura chegue ao seu espírito. Se você está magoado e ferido, essa será a sua plataforma e você será lembrado pela superação. Deus está em parceria com você, para ressignificar a sua história. Torne-se vulnerável, deponha as armas, desfaça as defesas, abra-se. Vulnerabilidade é poder

JB Carvalho

Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte; (1 Pedro 5:6)

Hoje, diga “sim” às histórias de Deus e “não” às histórias que o inimigo quer contar. Seja parceiro do seu Criador“, declarou JB.

Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; (Mateus 5:5)

E finalizou dizendo que manso é aquele que controla o poder, não usa o poder disponível e suporta a pressão do sucesso, sem se corromper. “Use menos poder e energia. Deus garante maior recompensa, com menos estresse. Diminua a pressão. Não use toda a sua força, porque você herdará a terra, tendo o controle dela. Distensione! Diminua seu ritmo. Decida ser feliz, aproveite seu dia, faça da vida, um espetáculo aos seus olhos“, finalizou.

por Vanessa Ribeiro
edição Tiago da Silva