O poder do descanso: “Descanse e se sacie com a fonte da água da vida”

Segundo o bispo JB Carvalho, grandes homens bíblicos foram desprovidos de colheitas, por deixarem de descansar, no momento apropriado. A recusa do descanso está intimamente ligada a idolatria em três áreas específicas: espiritualidade, governo e finanças

Luis Felipe/CN

E ele disse-lhes: Vinde vós, aqui à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco. Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer. (Marcos 6:31)

Como verificamos no texto, Jesus recomenda o descanso. Olhamos para homens como Abraão, Moisés, Davi e Elias, poderosos em força, mas, vencidos pelo cansaço. Abraão cansou de esperar e, cansado, resolveu cumprir a promessa de uma descendência poderosa, por seus próprios meios. Ele quis ajudar Deus, operando de forma carnal. Deus deixou passar, quando Moisés cansou da rebeldia do povo e jogou as tábuas da lei no chão. Mas, depois, também cansado, ele fere a rocha duas vezes com a vara, enquanto Deus havia ordenado que falasse à rocha. Perdeu a paciência e, por causa do cansaço, foi impedido de entrar na terra prometida.

Elias fez coisas grandiosas, mas cansou, entrou em uma caverna e, com medo de Jezabel, pediu para morrer. Por este motivo, foi substituído no meio do jogo. Davi cansou, porque estava no lugar errado. O lugar da nossa convergência é o lugar do nosso verdadeiro descanso. Ele deveria estar em cima do cavalo, com a espada na mão e em meio à guerra. Esse sim, era um lugar seguro. O cansaço é um inimigo a ser vencido.

Deus trabalha em ciclos

No sonho de Faraó, havia dois ciclos: o ciclo da abundância e o ciclo da escassez. Então, José aconselhou Faraó:

Portanto, Faraó previna-se agora de um homem entendido e sábio, e o ponha sobre a terra do Egito. Faça isso Faraó e ponha governadores sobre a terra, e tome a quinta parte da terra do Egito nos sete anos de fartura, E ajuntem toda a comida destes bons anos, que vêm, e amontoem o trigo debaixo da mão de Faraó, para mantimento nas cidades, e o guardem. Assim será o mantimento para provimento da terra, para os sete anos de fome, que haverá na terra do Egito; para que a terra não pereça de fome. (Gênesis 41:33-36)

Quando olhamos para a história de Jacó, verificamos que ele trabalhou por suas esposas, em dois ciclos de sete anos e, no ano sabático, tomou uma atitude. Deus trabalhou por seis dias e descansou no sétimo. As festas bíblicas são repletas de significados. Elas ocorrem em ciclos, devem ser celebradas em determinado período e sempre apontam para o cumprimento das profecias. A vida na nação de Israel, passa pelo ciclo das festas.

Há uma ordenança para o descanso do solo, a cada sete anos e, no quinquagésimo ano do cultivo da terra, seria o chamado “O Ano do Jubileu”. Então, após sete períodos de sete anos, com sete intervalos de descanso da terra (Shemitá), chega o Jubileu (Yovel), quando os escravos eram libertos e as terras devolvidas ao dono original. Este era um tempo de favor e quebra da escravidão, quando todos seriam libertos.

Jadson Douglas/CN

O descanso encerra ciclos

Verificamos que, ciclicamente, ocorrem mudanças no calendário mundial. Existem acontecimentos históricos ocorrendo de forma cíclica.

O Espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; A apregoar o ano aceitável do Senhor… (Isaías 61:1,2)

No ano aceitável, ocorrem mudanças em três áreas específicas: Espiritualidade, governo e finanças. Pessoas sobem e descem; crescem e diminuem, nestas três esferas.

Hiperatividade e Idolatria

A recusa do descanso e a idolatria, estão intimamente relacionados. Veja:

Cada um de vós respeitará sua mãe e seu pai. Guardai os meus sábados. Eu Sou o Eterno, vosso Deus. Não vos volteis para os ídolos e não mandeis fundir deuses de metal. Eu Sou Yahweh vosso Deus. Quando oferecerdes um sacrifício de comunhão a Yahweh, oferecei-o de tal modo que sejais aceitos. (Levítico 19:3, 4)

O caminho da tentação sempre é o mesmo. Adão e Eva fizeram essa travessia e pecaram. Jesus, o segundo Adão, fez a mesma travessia e venceu. Todos nós passamos por esse trajeto.

Verificamos o caminho percorrido por Adão e Eva (Genesis 3:6):

A mulher viu que a árvore parecia agradável ao paladar; (Desejo da carne, para atingir o corpo)
Era atraente aos olhos e; (Desejo dos olhos, para atingir a alma)
Desejável para dela se obter discernimento. (Soberba da vida, para atingir o espírito)

Com Jesus, não foi diferente (Lucas 4):

E disse-lhe o diabo: Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão. (Desejo da carne, para atingir o corpo)
E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero. (Desejo dos olhos, para atingir a alma)
Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo, porque está escrito: Mandará aos seus anjos, acerca de ti, que te guardem e que te sustenham nas mãos. Se assim, todos o reconheceriam como vindo dos céus. (Soberba da vida, para atingir o espírito)

O único caminho legítimo, que pode nos conduzir à presença de Deus, é Jesus.

Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. (1 Timóteo 2:5)

Por este motivo, Deus condena qualquer outra forma de aproximação do mundo espiritual.

Não permitam que se ache alguém no meio de vocês que queime em sacrifício o seu filho ou a sua filha; que pratique adivinhação, ou se dedique à magia, ou faça presságios, ou pratique feitiçaria ou faça encantamentos; que seja médium, consulte os espíritos ou consulte os mortos. O Senhor tem repugnância por quem pratica essas coisas, e é por causa dessas abominações que o Senhor, o seu Deus, vai expulsar aquelas nações da presença de vocês. Permaneçam inculpáveis perante o Senhor, o seu Deus. (Deuteronômio 18:10-13)

Veja que a proposta maligna sugere o suprimento de uma demanda à custa de princípios. Então, alguns tentam o Senhor, se autopromovem pela idolatria de um desejo ou de um sentimento, como foi proposto a Jesus:

E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. (Mateus 4:9)

Jadson Douglas/CN

A punição pela falta de descanso

Verificamos no livro de Daniel, sua conclusão acerca do número de anos que Israel ficaria em cativeiro. Mas, como ele chegou a essa conclusão?

No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. (Daniel 9:2)

Israel desprezou a ordenança da guarda do sábado, durante 490 anos consecutivos. Então, durante todo esse período, deixaram de cumprir o ano sabático por setenta anos, no total. Por este motivo, ele entendeu que os setenta anos em cativeiro, foi por consequência da desobediência.

Para que se cumprisse a palavra do Senhor, pela boca de Jeremias, até que a terra se agradasse dos seus sábados; todos os dias da assolação repousou, até que os setenta anos se cumpriram. (2 Crônicas 36:21)

Israel pagou um ano de cativeiro por cada ano não descansado.

Assim diz o Senhor: Guardai-vos por amor da vossa alma, não carregueis cargas no dia de sábado, nem as introduzais pelas portas de Jerusalém; não tireis cargas de vossa casa no dia de sábado, nem façais obra alguma; antes, santificai o dia de sábado, como ordenei a vossos pais. Mas não atenderam, não inclinaram os ouvidos; antes, endureceram a cerviz, para não me ouvirem, para não receberem disciplina. Se, deveras, me ouvirdes, diz o Senhor, não introduzindo cargas pelas portas desta cidade no dia de sábado, e santificardes o dia de sábado, não fazendo nele obra alguma, então, pelas portas desta cidade entrarão reis e príncipes, que se assentarão no trono de Davi, andando em carros e montados em cavalos, eles e seus príncipes, os homens de Judá e os moradores de Jerusalém; e esta cidade será para sempre habitada. (Jeremias 17:21-25)

Por meio do cansaço, a idolatria foi introduzida e o juízo veio à Israel

Há um padrão cíclico, na ocorrência de crises históricas, de sete em sete anos. Então, de ciclos em ciclos, Deus visita a terra, para avaliar as nossas obras, efetuando acertos, colocando o mundo em ordem. O descanso vai além da inatividade. Ela significa um estado de repouso completo, uma absorção da plenitude de paz, que só pode ser encontrada em Deus. Esta ordenança está vinculada ao mandamento: não andeis ansiosos. Então, não importa a situação. Não se preocupe. Confie e descanse.

Porque assim diz o Senhor DEUS, o Santo de Israel: Voltando e descansando sereis salvos; no sossego e na confiança estaria a vossa força (Isaías 30:15)

A falta de sossego e confiança, é a inquietação que nos faz agir em nossas próprias forças. Como vimos, homens tementes a Deus, transgrediram a lei do descanso e foram impedidos de alcançar a benção

JB Carvalho

Deus honra aqueles que Nele confiam

Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera. (Isaías 64:4)

Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. (Salmos 40:1)

Um dos motivos pelo qual as pessoas não conseguem descansar, é a avidez pelo dinheiro. Descansar é repousar em confiança. A ambição pelo acúmulo de bens ocupa esse lugar de descanso, reportando à idolatria

Por isso, meus amados irmãos, fugi da idolatria. (1 Coríntios 10:14)

A idolatraria surge da incapacidade de romper ciclos, um desejo insaciável, que conduz à ganância. Muitas vezes, com a escassez de recursos, as pessoas buscam diversas alternativas de suprimentos, ao invés de buscarem a Deus

JB Carvalho

Existe uma associação sempre presente entre a proibição da idolatria, a guarda do sábado e o derramamento da chuva. A recusa do descanso, promove o levantamento de ídolos. Esta atitude retém as bênçãos de Deus.

Qual a sua maior necessidade?

Será que existe algo mais necessário, do que a presença de Deus? Qualquer outra necessidade é superável.

O favor da benção está disponível, para aqueles que cumprem os princípios espirituais. “Sábado” é o período de alinhamento com o ciclo de descanso. O acesso à paz e libertação da ansiedade está vinculado à obediência ao descanso, assim como o acesso à prosperidade financeira e libertação da escassez está relacionado à fidelidade nos dízimos e ofertas.

A ansiedade é o oposto do descanso. Se só Deus é Senhor, por que a necessidade de controlar tudo? Querer resolver todas as questões é tentar sentar-se no trono, dominado pelo complexo de divindade, na tentativa de manipular linhas de ação que não nos compete. Acabe de vez com sua autopretensão. Não tente se autopromover. Arremesse sobre Ele toda a ansiedade, porque Ele tem cuidado de tudo. Você nunca conseguirá assumir essa competência.

A Distinção entre o justo e o ímpio

Deus faz distinção entre o justo e o ímpio. Veja o exemplo da Sunamita, que abençoou o profeta, preparando hospedagem. Eliseu recomendou sua ausência da terra por sete anos, devido à fome que haveria e, quando ela retorna, todas as suas propriedades foram restituídas. Ela havia dado causa à sua bênção. Em um contexto de idolatria, a terra estava ferida, as mentes adoecidas. A apostasia trouxe uma conta, que a sunamita não tinha que pagar.
Também, quando Deus visitou o Egito em julgamento, a distinção foi feita. Os filhos de Israel foram poupados.
Profetizo as colheitas dos seus últimos sete anos de plantio.

Deus está no governo e não o homem. Ele é o Senhor e juiz. De ciclos em ciclos, vem ver as nossas obras.
A justiça de Deus aparece em ciclos de sete anos, para tomar conta dos mordomos que obtiveram poder.

“Portanto, quando vier o dono da vinha, o que fará àqueles lavradores?” Responderam eles: “Matará de modo horrível esses perversos e arrendará a vinha a outros lavradores, que lhe deem a sua parte no tempo da colheita”. (Mateus 21:40 – 41)

Dissolve a autoridade dos reis, e uma corda lhes cinge os lombos. (Jó 12:18)

Por causa da transgressão da terra, mudam-se frequentemente os príncipes, mas por um, sábio e prudente, se faz estável a sua ordem. (Provérbios 28:2)

E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. (Daniel 2:21)

E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. (Apocalipse 19:16)

Alguns, na posição de poder, enlouquecem. Um líder precisa saber descansar sua alma, em local seguro.
Nabucodonosor não administrou corretamente a mordomia do poder e foi acometido por loucura, por um período de sete anos. Ele disse:

Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com o meu grandioso poder e para glória da minha majestade? (Daniel 4:30)

Mas, se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam. Todo poder a Deus pertence!

Aos seus amados ele o dá enquanto dormem. (Salmos 127:2)

Enquanto você estiver descansando, Deus estará agindo.

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. (Salmo 91:1)

Precisamos habitar, descansar, crer e confiar.

O inimigo trabalha para que você haja na carne. Ele atribui tarefas e desgastes, para que você não descanse em Deus. Há padrões de visitações, tentativas de revisita, cobranças de faturas pagas. Alguns arrastam suas correntes, com prisões emocionais e financeiras. Sugestões de avidez, despertando o desejo de ter e o afã de possuir.

Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.
(Lucas 12:20,21)

No ano do descanso, devemos esperar a colheita crescer. Então, troque os jugos pesados.

Luis Felipe/CN

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. (João 8:36)

Jesus é o libertador da nossa alma! Deixe que Ele te guie a águas tranquilas. Descanse da necessidade de aparecer, de ser evidente, ser amado, aceito ou ser espiritual. Isso cansa. O jugo da religião, exortações, o jugo de Mamon, é pesado. Por que você quer juntar mais? Já não tem o suficiente? Isso tudo nos deixa muito cansados e adoece nossa alma. Lembre-se: O dinheiro não é apenas um benefício, mas uma responsabilidade.

Levante as mãos e sossegue. Volta ao teu sossego, oh minha alma! O diabo está te atacando? Um dos julgamentos pela desobediência no descansar, era o pavor, o controle do espírito do medo. Descanse nas promessas. Pare de tentar manipular meios, para chegar aonde você quer. Entre no fluxo. Você é diferente, chamado para outra postura. Deus te preservará da calamidade, apenas renda-se e pare de lutar.

JB Carvalho

Josué foi instruído a meditar na Palavra de Deus

Essa é uma grande chave: falar para si o que Deus diz a seu respeito. Você está esperando um profeta ou uma pregação instrutiva, mas podemos aplicar a promessa que já está disponível na Palavra, pois é exatamente isto que Deus está dizendo: Descanse, pois suas circunstâncias se dobrarão às promessas. Não tente produzir frutos na carne. Lembre-se de que Ismael trouxe muitos problemas. Deus já preparou o filho da promessa.

No ano do descanso, entre no fluxo e espere para ver o que Deus irá fazer. Ele está preparando o avivamento nas nações, o Espírito está sendo derramado, para libertar o Brasil dos homens maus. Deus está tocando a trombeta e dizendo: preciso que você mude.

O meu povo cometeu dois crimes: Eles me abandonaram, a mim, a própria Fonte de Água Viva; e tentaram cavar as suas próprias cisternas, poços rachados que não conseguem reter a água. (Jeremias 2:13)

Descanse e se sacie com a fonte da água da vida. Não é o nosso esforço, mas o que Ele já fez. Há um grande poder que vem do calvário, e ecoa o nosso resgate. Deus foi até as últimas consequências, para nos redimir.

Pois eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, teu salvador. Dou o Egito por teu resgate, a Etiópia e Sabá em compensação. Porque és precioso a meus olhos, porque eu te aprecio e te amo, permuto reinos por ti, entrego nações em troca de ti. Fica, tranquilo, pois estou contigo (Isaías 43:3-5)

Assim como recebemos, devemos oferecer o amor e o perdão. Porque fomos perdoados, nós perdoamos, agimos com a mesma graça com que fomos tratados. Agradeça a Deus por todas as suas conquistas. Reconcilie-se. Descanse na promessa. Diga a Deus: não tenho uma segunda opção! Acabe com as opções extras e pare de olhar para os lados. Entregue-se ao autor e consumador da sua fé.

por Vanessa Ribeiro

Confira essa mensagem também disponível em podcast e vídeo: